quarta-feira, 24 de agosto de 2016

A luz em você


     Temos um péssimo hábito de idealizar e de sonhar com tudo aquilo que não temos, colocamos sobre essas coisas todas as nossas esperanças, por falta de uma educação voltada para interior, passamos a depositar no exterior a resposta para tudo que afeta nossos sentidos e anseios, desde muito cedo os bens de consumo se tornam nossa possível fonte da felicidade, mas infelizmente o que não percebemos é que nossa esperança foi mal direcionada, pois a cada objetivo alcançado somos tomados por uma passageira euforia que nem de longe se compara a tão sonhada felicidade, mas para muitos essa se torna sua realidade, aumentando cada vez mais sua necessidade por esses pequenos momentos, mendigando sem perceber as migalhas daquilo que deveria ser algo inato ao seu ser e um após o outro seus objetivos vão se alternando em uma busca sem fim, nessa roda viva de consumo e euforia, mas que não para por ai e se estende aos relacionamentos vazios, desprovidos de qualquer sentimento ou respeito pela outra pessoa, que é desumanizada, sendo considerada só mais uma fonte de euforia, que rapidamente será substituída por outra, deixando para trás não só mais objetos, mas seres humanos dotados de sentimentos, preenchidos da mesma energia divina, a qual devemos respeitar e fazer uso para levar para o mundo todo o bem que podermos produzir, pois a nossa maior fonte de felicidade está na capacidade de amar.
ALEXANDRE CANDIDO SALAZAR - PARAPSICÓLOGO CLÍNICO

Preceitos Diários 2016 - Dia 24

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Quem confia em si mesmo



     Quem confia em si mesmo consegue fazer com que os outros confiem nele.

Do livro Ensinamento da Verdade para Jovens, volume 1, página 85 - Masaharu Taniguchi

Preceitos Diários 2016 - Dia 23


segunda-feira, 22 de agosto de 2016

A Vida



     A paisagem não é vista pelos apressados que passam nas alto estradas da vida, mas nenhum detalhe se perde diante das pessoas simples, que se detém a olhar para o lado e ver todas as belezas que compõem a extraordinária tela de nossa existência, cedo ou tarde nos damos conta de que todos seguimos para o mesmo destino e diante dele a maioria se questiona, do que adiantou correr tanto, porque ter tanta pressa para alcançar o fim de uma jornada, se o melhor de tudo, se todas as belezas e oportunidades se escondem logo depois de cada curva, é nesse momento que cada pausa perdida, que cada "depois" proferido, adquiri um valor inestimável, pois nada que tenhamos conquistado, dinheiro nenhum que possamos ter adquirido, pode trazer de volta o que foi deixado pelos caminhos de nossa trajetória, toda essa urgência faz de nós os seres mais paradoxais do mundo, pois lutamos avidamente pela vida, mas caminhamos cada vez mais rápido na direção do seu fim, pois nos dedicamos a vidas sem encanto, sem brilho, sem satisfação, nas quais torcemos para que os dias acabem, para voltarmos para casa, para que as semanas acabem, para chegar o final de semana, para que os meses acabem, para chegar o pagamento, para que os anos acabem para chegarem as férias e as festas e sem percebermos torcemos para que a vida acabe, pois a cada instante estamos mais perto do fim de nossa trajetória, a qual realmente não devíamos nos preocupar com fim, mas nos comprometermos em fazer de cada momento algo que despertasse em nós, o desejo que este não acabasse.
ALEXANDRE CANDIDO SALAZAR - PARAPSICÓLOGO CLÍNICO

Preceitos Diários 2016 - Dia 22

domingo, 21 de agosto de 2016

Os bons amigos acreditam em nós



Os bons amigos acreditam em nós. E só pelo fato de sabermos que existem neste mundo pessoas que acreditam em nós, sentimo-nos repletos de coragem.

Do livro O Livro dos Jovens, página 117 - Masaharu Taniguchi

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Quando você subir



Os limites estão dentro de cada um de nós!
E, quase sempre refletem o momento que estamos vivendo.
Quando atribulados pelos problemas que parecem não ter fim,
nos sentimos pequenos, perdidos e em completo sofrimento.

Quando subimos em um prédio muito alto,
ao olharmos para baixo, mal vemos o asfalto.
Tudo fica pequeno, as vezes difícil de reconhecer.
Assim são nosso problemas, quando olhados do mais alto.
Ficam pequenos, mais fáceis de se vencer.

No nosso caso, o prédio alto é o “otimismo”,
o “elevador” a “alegria”, que tudo contagia.
E onde arrumar alegria em tantas decepções?
De novo, ela está dentro de cada um de nós,
as vezes forçada a ficar quieta e escondida,
de tantos pensamentos negativos, a alma fica retraída.

Olhe para qualquer coisa boa na sua vida.
Mire-se num tempo já vivido onde você sorria.
Pegue isso como se fosse a sua verdadeira fotografia.
E desarme a tristeza e a melancolia.

Se tudo parece acabado e sem fim,
ao dormir com bons pensamentos e vontade de mudar,
o dia vai nascer e será muito bem-vindo,
pois quem te esperava triste, vai te encontrar sorrindo.
E com alegria e boa disposição, o céu se abre,
e derrama sobre você bençãos sem fim,
sem medidas, sem contagem, sem miséria.
Porquê Deus é abundância, riqueza e brilho,
e ao te ver sorrindo, te chama carinhosamente de filho!

Que assim seja!
Paulo Roberto Gaefke

____________________
Paulo Roberto Gaefke
www.meuanjo.com.br

Preceitos Diários 2016 - Dia 19

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Gentileza gera gentileza



A análise do copo com água pela metade tem sido muitas vezes utilizada, para demonstrar a capacidade que algumas pessoas têm, de ver apenas a parte do copo que está vazia, enquanto outras conseguem ver a parte que está preenchida, essa reflexão nos remete a uma pergunta muita antiga, que tenta dimensionar o valor de nossos pensamentos e atitudes, “O azarado é pessimista porque tudo dá errado para ele? Ou tudo dá errado porque ele é pessimista?”. É cada vez maior o número de linhas científicas, religiosas ou filosóficas, que defendem o quanto temos a capacidade de sermos autores de nossas histórias, saindo da plateia, assumindo nosso lugar de direito no palco de nossas vidas, em um primeiro momento as pessoas resistem a essa ideia, ao peso dessa responsabilidade e defendem que não podem mentir, dizendo que as coisas estão bem, se estão rodeadas por problemas e dificuldades, mas não se trata de mentir e sim de mudar o foco de sua atenção, é parar de dar tanta importância ao que falta em nossas vidas e passar a valorizar e agradecer o que temos, pode não ser muito, mas é um começo capaz de mudar velhas cresças, nos tornando pessoas emocionalmente mais seguras e de bem com a vida, influenciando outras pessoas de nossos ciclos de relacionamento, promovendo hábitos positivos, regados a gentilezas e cortesias, que farão toda diferença nos acontecimentos que se seguem, pois nenhuma boa semente da origem a frutos ruins.
ALEXANDRE CANDIDO SALAZAR - PARAPSICÓLOGO CLÍNICO

Preceitos Diários 2016 - Dia 18